Manual de sobrevivência contra ataques zumbis: Parte 02

Publicado: 29 de julho de 2011 por tiefz em Zombie Survival
Tags:, , , , , , , ,

Parte 02

Finalmente você conseguiu passar uma noite debaixo de um teto de verdade. Digo passar a noite, porque dormir de fato é algo que você já se esqueceu como é, depois de um pouco mais de uma semana se esgueirando de beco em beco, carros abandonados e terrenos baldios. A casa estava vazia, quer dizer, sem contar um cara morto no quarto e por isso você preferiu dormir trancado no banheiro. O cara estava realmente morto, apesar que depois que essa loucura começou a uns 10 dias atras, a palavra morto teve que ser riscada dos dicionários ou adicionado um hífen “vivo” nela. A certeza de que ele estava morto é porque o cara se matou com um tiro de 38 na cabeça. O corpo estava imóvel e parecia “colado” na parede, talvez pela ação do tempo, muito diferente dos que andam, apesar do mesmo cheiro, só que nesse mais forte.
Normalmente você diria: “Que sorte! A arma ficou na mão dele”. Mas o mais adequado aqui é dizer que a sorte foi a dele que não vai ter que se preocupar com tudo isso. Então a primeira ideia é pegar a arma da mão do “presunto” e virar “John Marston” do Red Dead Redemption. Só que aqui não é um jogo da Capcom e nem RockStar. A arma não fica simplesmente girando e brilhando no chão e muito menos vai aparecer uma opção “Pegar Revolver 38? >Sim/ Não”. Aqui é a realidade e você vai ter que por a mão em uma pessoa morta há três dias com uma cara fixa e olhos vazios e azulados pela decomposição, olhando diretamente pra você.

Uma coisa que nunca vai ter nos filmes é o cheiro. Você já viu milhares de filmes de terror ou de Zumbis, cheios de corpos e gente morta, mas nunca imaginou verdadeiramente como seria o tal cheiro de cadáver, a não ser pequenos animais mortos que são comuns em beira de estrada. Agora imagine o maior cachorro morto que você viu na vida e multiplique por 10 ou 12. Isso seria apenas um cadaver como esse no chão do quarto, com uma arma na mão e metade das ideias e lembranças espalhadas como uma obra de Picasso na parede. Mas agora imagine isso por toda a parte. Em qualquer lugar que você vá, você verá um ou dois desses espalhados pelo chão, carros, calçadas e pior andando! Talvez essa seja a pior parte na sobrevivencia à uma infestação de zumbis e até uma vantagem para eles, pois dificilmente você consegue ficar mais do que 5 minutos escondido no mesmo lugar com um corpo por perto. O cheiro gruda em você, literalmente falando e te segue mesmo aonde já não tenha mais cadaveres, ficando nas narinas. A melhor solução pra evitar ficar atordoado com isso é ter sempre um pouco de gasolina pra passar na gola da camisa. Cuidado! Gasolina pode ser pior que os andarilhos se você não se cuidar. Se você encharcar de mais a roupa, pode acabar queimando sua pele com o contato direto com a gasolina. Lembre-se que é só um pouco apenas para afastar o cheiro e não pra tomar banho com ela. Nem preciso dizer que se você fuma, já é mais que na hora de largar o vicio, ou você vai “se acender” como um cigarro anbulante. Nunca passe a gasolina diretamente na pele ou no rosto, ou debaixo das narinas, pois a gasolina irá queimar a sua pele.

Mas aqui e agora, você não tem gasolina e vai ter que chegar perto do corpo pra pegar a arma. Você coloca uma camiseta na boca pra tampar o cheiro, mas parece que o maldito “perfume de Thanatos” atravessa o tecido, dobrado em várias partes e desce garganta abaixo. Você segura a arma com força, os olhos lacrimejando, o coração disparado e a boca seca. Mas nada na vida real é tão fácil. O maldito rigor mortis está segurando a arma pelo cadáver e simplesmente puchar não é uma tarefa fácil. A arma esta bem presa pelos dedos. É ai que você larga tudo e corre pro banheiro respirar. A nausea agora é sua nova companheira. Mas vomitar não é uma opção, já que você não come nada desde ontem de manhã. Depois de algum tempo você volta, dessa vez decidido e já entregue à situação e bastante irritado. Pouco se importa em segurar a camiseta no rosto e vai com tudo com as duas mãos e finalmente arranca a arma das mãos do seu finado dono.
É uma Taurus 80, calibre 38 de 4 polegadas. Uma arma típica de vigia, o famoso “canela seca”. Você nunca pegou em uma arma na vida, mas afinal, qual é o segredo em apontar e apertar o gatilho? Não é das melhores armas, mas foi a única que você encontrou em todos esses dias. Não tinha nenhuma espingarda calibre 12 em carros de policia abandonados, nenhuma arma em gavetas de casas abandonadas, nenhum policial morto com uma bereta caida do lado, nem nenhum soldado com um rifle FAL dando sopa, muito menos nenhuma caixa de balas caiu quando você chutou alguma lixeira. O governo fez o seu dever de casa direitinho e desarmou a população e na vida real ter achado esse revolver “canela seca” com apenas 3 balas no tambor foi como ganhar na mega sena.

Tem sangue seco na arma e no cabo de borracha algo que parece pele, talvez da palma da mão do antigo dono, que se soltou com a força que você fez ao tentar removê-la. A principio vem a preocupação se essa “coisa” possa ser transmitida simplesmente por ter contato com as secreções dos infectados ou se o vírus (se é que realmente é um vírus) morreria junto com o hospedeiro. Mas não há tempo de pensar nisso, não há arrependimento em ter conseguido uma nova proteção e o melhor a fazer é passar um pano úmido no cabo, lavar bem as mãos com agua e sabão e procurar munição pela casa, já que o possível ex-morador tinha essa arma.
Mas e se você realmente encontrar algumas balas, vai saber diferenciar 38 pra .357? Mesmo que esteja escrito .357 na bala e ela for praticamente do mesmo tamanho você vai resistir a ideia de usar no seu 38? Dependendo do caso, a pressão de uma bala 38 é de 18.900 CUP, enquanto a de .357 é de 48.500 CUP. Para entender a diferença e calcular a pressão, o pneu de um carro é entre 28 e 30. Dessa forma, com uma arma em condições desconhecidas, ou até mesmo oxidadas como a do finado suicida, é arriscado o tambor do revolver explodir literalmente na sua cara. De qualquer forma, com a sua nova arma, você resolve sair atrás de comida, pois agora o seu maior inimigo mora dentro de você e se chama fome. (Continua…)

Parte 01

Tief

Anúncios
comentários
  1. vancoud disse:

    Acho que voce deveria falar SÓ DE ZUMBIS!!

    • tiefz disse:

      Haha a ideia é tentadora cara, mas tenho uma incontrolável necessidade de tagarelar sobre games e iPad também hahaha. Mas como é uma seção exclusiva, pretendo mantê-la bem ativa (O post 3 já ta quase pronto).
      Valeu pelo apoio!

  2. João Gabriel Fleck Barros disse:

    Estão muito boas as histórias, envolvem um realismo mais convincente e retrata o comportamento humano nessas situações de “aperto hipotéticas” de modo muito bem pensado, o mais próximo que temos dessas situações estremas de vida ou morte é a guerra.

    Cara tu tá de parabéns, to loco pra ler mais desses teus contos.

    João Gabriel

    Ivoti – RS

    • tiefz disse:

      Muito obrigado!
      Todos esses anos na frente da TV vendo gênios do horror como Romero e Carpenter me encheram a cabeça de ideias pra pequenas histórias. Só espero não precisar usar desse conhecimento em uma epidemia de mortos-vivos hahaha

      Devo voltar a postar o próximo capítulo em breve, semana de prova na faculdade acabou com meu Blog!

      Abraços!

Insert Komment

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s