Manual de sobrevivência contra ataques zumbis: Parte 01

Publicado: 13 de julho de 2011 por tiefz em Zombie Survival
Tags:, , , , ,

Você esta na sua casa, tranquilo de folga, assistindo TV e tomando café da manhã, totalmente despreocupado com a vida, afinal, seu time é líder no campeonato, sua esposa foi trabalhar hoje e você tem o dia todo pra não fazer absolutamente nada, sem ter que dar satisfação a ninguém.

Na TV, nada de tão importante que prenda a sua atenção em um único canal. Em um jornal local só se fala nas passeatas contra qualquer coisa que agora virou moda na sua cidade, um bando de adolescentes “maconhistas” e viciados em sites de relacionamento, sem muito que fazer, estão sempre se juntando na principal avenida da cidade para protestar sobre coisas inúteis no seu ponto de vista. O que lhe chama a atenção é que nas duas ultimas passeatas, a coisa se tornou violenta e alguns manifestantes atacaram a policia, alguns pedestres e até a si mesmos. “Bando de nóias”, você pensa.

Em outro canal só se fala nas duas novas epidemias, ambas relacionadas com algum animal doméstico, que honestamente, pouco te importa, já que você não tem bicho nenhum em casa e nem mora em nenhum desses países distantes que vem acontecendo essas epidemias. Pouco se importa também com os aeroportos fechados, afinal você só vai mesmo pro trabalho a alguns quilômetros de casa e nem tem tempo pra viajar. Talvez esteja um pouco preocupado porque os sintomas sejam muito parecidos com uma virose comum e algumas pessoas conhecidas estão consideravelmente adoecidas, mas na TV não diz nada sobre casos de infecção no seu País.
Em outros canais, nada de anormal e como sempre, a mesma programação sem graça de todos os dias.

A única coisa que lhe chama a atenção de verdade é a silhueta do alguém na sua janela através da cortina. É estranho porque a pessoa não tocou a campainha ou até mesmo bateu na porta. Apenas está lá dentro do seu quintal, em frente à sua janela, no que parece um estado meio catatônico, balançando levemente da esquerda para a direita, como fazem as pessoas Internadas em manicômios, em seu estado mais agravado. Você levanta devagar e pergunta com pouca firmeza na voz o clássico “Quem esta aí?”, mas ao invés de responder, a figura antes catatônica, agora começa a bater no vidro com as duas mãos, de forma desajeitada. Você pega uma vassoura (que afinal, é a única coisa ao seu lado naquele instante) e da um passo em direção da janela e antes que você afaste a cortina para ver que está na janela, algo que um dia foi o filho do seu vizinho, agora sujo, fedendo e semi devorado, atravessa o vidro da sua janela violentamente e antes que você pergunte “Que merda é essa”, o maldito moleque já cravou seis dos cacos de dentes agora podres em seu braço, tão fundo que lhe rompe um ou dois tendões. A dor é tão grande que você tem um momento de surdez e mal pode ouvir o próprio grito. A visão também é drasticamente abalada e tudo ao redor parece borrado e disforme. O primeiro instinto é livrar o braço, agora totalmente dormente pelo excesso de dor e adrenalina no organismo, mas a impressão é de que os poucos dentes do agressor já tocaram o seu osso. Você soca com força a cabeça para que ele solte o seu braço, seu punho desliza nos cabelos úmidos e pegajosos dele e a força da pancada não sai como planejado. Parece sangue, parece que ele lavou os cabelos em um balde de sangue e não da mais pra saber de quem é o sangue. Outro golpe mais forte e só piora a pressão da mordida. E aquele cheiro, o mesmo de uma ferida muito infeccionada que ficou dias abafada em trapos de curativos. Outro soco e agora você tem a impressão de ouvir um ruído próximo de um estalo de galhos se partindo, abafados pela camada de pele e músculo da cabeça atingida, mas o cara parece não sentir absolutamente nada e cada impacto faz com que a carne do seu braço se rasge pouco a pouco, aumentando a ferida, mas não há força suficiente para que a mordida fique mais funda ou que o pedaço abocanhado seja arrancado, fazendo com que o agressor solte seu braço involuntariamente, deixando nele um ou dois pedaços de dentes.
A dor é lacerante e você perde o equilíbrio. O cheiro é insuportável e você já não sabe mais se é a causa do enjoo ou se foi a dor insuportável do braço. A impressão que você tem é que tudo está em câmera lenta, mas na realidade é justamente ao contrário, seu cérebro é que não consegue processar mais o que está acontecendo e parece que seu campo de visão diminuiu e você está vendo um filme rodando com metade dos frames. A ultima coisa que você vê antes de entrar completamente em choque pela dor é o seu vizinho se levantando lentamente, o cheiro está mais forte. Talvez duas ou três pessoas estejam entrando pela janela destruída, vindo em sua direção, com aquele cheiro. Agora você já sabe que cheiro é esse. É o cheiro de gente morta, de sangue coagulado. Então você desmaia antes de tudo acabar.
Ou será começar?

A história que acabei de escrever poderia ter um final diferente se você estivesse preparado. Realmente é difícil sobreviver a um ataque sendo pego de surpresa, no entanto, se você tiver algumas noções sobre o que pode vir a ser um ataque de zumbis, seria possível prever os sinais presentes nas noticias e se precaver de situações muito parecidas com a história acima.

Primeiro de tudo, quero deixar bem claro que esse post não é em momento algum nenhuma cópia, tradução ou plágio do livro “Zombie Survival Guide” do Max Brooks. Muito pelo contrário, o livro me serviu de inspiração para essa série que estou iniciando no Blog, tanto como foram os filmes de Romero e algumas adaptações e games com o mesmo tema.
Esta série tem como finalidade, prepará-lo para um eventual encontro com os chamados “Mortos Vivos” em qualquer situação, seja um pequeno caso isolado em um bairro, como algo maior como uma cidade, país, ou até mesmo um apocalipse mundial de proporções catastróficas, onde uma estimativa de vida a longo ou médio prazo, cai para absolutamente ZERO.
Tentarei desmistificar o tema “Zumbi”, separando a realidade da ficção apresentada nos famosos filmes hollywoodianos, abordando formas de combate e armas realmente eficazes, como outros assuntos de vital importância para a sobrevivência o máximo de tempo possível.

Continuarei com os outros posts da “programação normal” sobre games e coisas geeks, mas vez ou outra irei postar pequenos capítulos sobre essa nova serie em meu blog. Espero que tenhamos tempo de abordar todos os assuntos principais, antes que o pior nos aconteça.

Até a próxima edição, ou não…

Edit: Parte 02

Tief

Anúncios

Insert Komment

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s